6.12.06

Bicho babante

Hoje dei por mim a babar-me embevecido para uma montra cheia da mais fina doçaria de natal. A gula era tanta que fiz uma mancha de baba na camisa e ainda pingou para os sapatos. Chato é que tinha estado a beber café e o resultado foi uma bela nódoa, que fica sempre bem e é bonito. Só parei de me babar quando reparei no ar estarrecido da senhora que estava do outro lado do vidro a compor os bolitos. É. Fiquei nervoso e incomodado. E quando isto me acontece começo a suar desalmadamente que nem uma fonte em ano de cheias, o que acabou por disfarçar a nódoa de baba à qual já me tinha afeiçoado tanto. Ora, com tanto suor a gravata começou a desbotar tornando a coisa mais cromática no que diz respeito à recente textura da camisa. O suor acabou também por criar uma certa comichão generalizada no corpo, mais precisamente no traseiro, lugar sagrado para a bela coçadela. Olhei para o dedo "mindinho" da mão direita e não é que tinha roído a unhaca no dia anterior a assistir a uma jogatana de futebol na TV. Porra! Agora como podia coçar tal comichão... Estava eu neste impasse quando de repente... ACORDEI! Ufa! que alívio! A salvação! E eu já a pensar que me tinha transformado no típico tuga nascido, criado e recenseado na freguesia de Coitáis-a-cima. Pelo sim pelo não... este natal vou-me manter afastado das lojas de bolos.

1 comentário:

Oriana disse...

Qui lindo conto de Natal.. sim senhor:)